Tiradentes Esquartejado – Pedro Américo

Tiradentes Esquartejado, 1893, Pedro Américo de Figueiredo e Melo

Tiradentes Esquartejado, 1893, Pedro Américo de Figueiredo e Melo (Pintor Brasileiro, 1843-1905), óleo sobre tela, 270 x 165 cm, Museu Mariano Procópio, Juiz de For a (MG), Brasil. Tamanho grande aqui.

Quando estive em Juiz de Fora (MG) fiz questão de subir aquela colina e visitar o Museu Mariano Procópio. Fundado em 1915 (oficialmente aberto ao público em 1922), este é o primeiro museu surgido em Minas Gerais, e abriga um dos principais acervos do país, com aproximadamente quarenta e cinco mil peças. As peças presentes no museu refletem em quase toda sua totalidade as influências culturais do século XIX e princípio do século XX, seguindo principalmente o gosto de Ferreira Lage (1865-1944). Trata-se de um dos principais acervos do período imperial brasileiro – em sua maior parte originário do Palácio São Cristóvão, antiga residência de D.Pedro II no Rio de Janeiro.

Entre os quadros expostos no Museu Mariano Procópio, um dos maiores destaques é Tiradentes Esquartejado. Visto de perto este quadro é bem forte, e expressa com bastante clareza o marcante nacionalismo do romantismo brasileiro, através de um dos seus maiores expoentes, Pedro Américo. Com a retratação crua e fortíssima da figura esquartejada o pintor pretende salientar a intensidade do martírio. O motivo religioso está presente, inclusive a associação com a tradicional iconografia de Jesus Cristo – como acontece também na obra de Francisco Aurélio, irmão de Pedro Américo. Observe que a execução é realizada em plano alto, como se pode ver pela altura das casas ao fundo. A intenção é estabelecer também a ideia de redenção, e o crucifixo ao lado evoca imediatamente a associação com o pretendido pano-de-fundo histórico e religioso.